Estranhamente estranho...

16/07/2017

É complexo tentar entender as pessoas, mas algumas coisas realmente me intrigam, até certo ponto.

Não consigo compreender as pessoas que pensam que Deus é severo, rígido e imparcial. Sei lá, tenho uma visão tão sublime Dele.

Recentemente, comentei com uma pessoa que eu acredito que Deus está feliz comigo do jeito que eu sou e ela riu escancaradamente e me disse:

- Ha ha... vai nessa! Você é espírita, que acredita que só o fato de fazer o bem e não desejar o mal já está de bom tamanho? Então vai nessa que você vai ver onde vai parar...

Ual... foi o que eu pensei, mas não me atrevi a dizer nada! Então fazer e desejar o bem não seria o inicio de uma qualidade de bom moço ou boa moça?! Caramba...

O que mais me intrigou foi que antes dessa pessoa me dizer tudo isso, ela fez questão de fazer sua auto descrição e se intitular um sujeito cristão. Daí é que vem os múltiplos questionamentos nessa minha cabecinha tão confusa...

O que de fato vem a ser um cristão? O que de fato para ele é respeitar? O que de fato significa ter a bíblia como um guia?

Por favor, não me levem a mal, eu creio na bíblia, creio em Deus, Senhor Jesus e no Divino Espírito Santo. Mas, não é na bíblia que está pedindo para amarmos o próximo como a nós mesmos? Pois bem, eu quero que meus pensamentos sejam respeitados e, de fato, o respeito também não é uma forma de amar?

Que diferença faz estufar o peito para dizer que passou pelas águas do batismo e se intitular VERDADEIRO cristão se não consegue compreender que, em um mundo tão repleto de crenças, cada um tem o direito de pensar como bem entender... De nada adianta querer que todos sejamos iguais, somos multi e ao mesmo tempo únicos, singulares e peculiares... Cada um a seu modo.

Confesso que tenho uma dificuldade enorme de expor meus pensamentos religiosos, creio em Deus, mas não sinto necessidade de gritar isso para os quatro cantos do mundo. Ele, a pessoa mais importante para mim, sabe disso!

Acredito que, se podemos fazer mais do que "apenas" desejar o bem, então façamos! Mas, façamos com amor e respeito e não porque está escrito em algum lugar que as coisas devem ser feitas assim ou assado. Penso que a benevolência está intrínseca nas pessoas e que, fatidicamente, nós, seres humanos, sabemos quando estamos sendo sinceros com os nossos semelhantes.

Sou julgada e subjugada pelas minhas atitudes, apontada pelo meu comportamento e muitas vezes ironizada pela minha simples forma de pensar ou forma simples de pensar.

Contudo, meu singelo pensamento é que Deus não vê apenas nossas atitudes para com a sociedade, Ele vê muito mais, Ele enxerga dentro de nós, nos conhece e conhece nossos corações. Isso poderia bastar, acredito eu, mas a grande maioria julga que não é o suficiente... Sobretudo, enquanto posso dar à Ele o melhor de mim da maneira como consigo fazer isso, sinto que Ele se alegra!

Tenho misericórdia daqueles que, diferente de mim, ponderam de outra forma, porque amar não é apenas um verbo é mais que isso...